Mundo

Líderes cristãos enviam carta ao Senado dos EUA contra “Lei da Igualdade”

Pastores negros assinaram a carta contra a aprovação da lei.

Cerca de 57 pastores negros dos Estados Unidos assinaram uma carta aberta ao Comitê de Justiça do Senado dos Estados Unidos, contara a chamada “Lei da Igualdade”, que coloca em risco a liberdade religiosa ao beneficiar pessoas da comunidade LGBT.

A carta foi emitida em nome da And Campaing, uma colizão cristã que educa e organiza os cristãos para o engajamento cívico e cultural. Apesar de elogiar a defesa dos direitos civis e humanos, mas condena o fato de a legislação não proteger a pluralidade da sociedade.

“Estamos escrevendo para expressar nosso apoio e apreço pelos esforços para fornecer mais proteção aos direitos civis e humanos à comunidade LGBT”, começava a carta. “Por muito tempo, esta comunidade sofreu maus-tratos na sociedade americana, incluindo dentro de partes da igreja. Lamentamos e lamentamos nossos erros coletivos e omissões a esse respeito”, escrevem.

“Enquanto mantivemos a ética sexual cristã histórica, queremos declarar claramente nosso apoio às proteções federais para pessoas LGBT no emprego, moradia e similares. Estamos empenhados em adotar e defender essas salvaguardas”, continuou.

No entanto, em relação à Lei da Igualdade, os líderes argumentaram que a legislação fica aquém do “padrão necessário para cultivar uma sociedade pluralista saudável”. Embora “certas disposições” sejam mantidas, eles não acreditam que a Lei da Igualdade, como um todo, forneça “um diálogo cívico e atencioso ou um processo transparente de formulação de políticas”.

Eles afirmam também que a legislação “não foi discutida em detalhes” com uma variedade de líderes religiosos que “suportarão o peso de seus excessos”.  “Podemos defender os direitos da comunidade LGBT sem ameaçar as comunidades religiosas”, afirmaram.

A carta continua destacando que a Lei da Igualdade remove os direitos das organizações religiosas de funcionarem de acordo com “os princípios de sua fé”, permitindo que os direitos LGBT “sejam usados ​​como uma espada contra as instituições religiosas, em vez de um escudo para proteger os vulneráveis”.

Publicidade
Mostrar mais
%d blogueiros gostam disto: